segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Discussão em grupos de Facebook

Já perceberam que todo grupo do facebook tem destacado, logo no início, o seguinte: "Discussão”? Pois então. Grupos foram criados para discutir qualquer assunto, principalmente aqueles que possam ser de interesse de seus integrantes.


A discussão, o debate, o diálogo é importante no desenvolvimento do ser humano. 

Contudo, há administradores de grupos que estão agindo como censores, cerceando o debate entre "irmãos" motociclistas, não admitindo que alguém tenha opinião diferente deles ou dos amigos deles. Isto é lamentável. 

Novamente fui excluído de um grupo do Facebook. Não vou citar qual para não fazer publicidade... Mas quem dele faz parte vai saber qual é.

No dia, confesso que fiquei um pouco chateado porque não havia violado as regras do grupo nem tampouco ofendido quem quer que seja. Mas, passados dois dias, concluí que foi melhor. Pra mim, pelo menos. Para o grupo, não sei. 

Não vou negar que, uns tempos atrás, era um espaço onde boas e interessantes ideias eram compartilhadas por aqueles que fazem médias viagens de moto. Mas, com o passar do tempo, o grupo cresceu muito e virou um local onde poucas informações de valor são publicadas. 

Alguns dos integrantes do tal grupo não sabem o que escrevem. Muitos dão dicas sobre viagens para outros países, sem nunca terem saído de suas próprias cidades. Uma minoria repete as mesmas perguntas com relativa frequência (precisa de galão? de PID? Onde faço a carta-verde?) e os administradores não orientam os participantes para, antes de perguntar, fazerem uma pesquisa no próprio grupo para verificar se o assunto já não foi esclarecido.

Hoje, há bons grupos, cujos criadores e administradores, embora atentos ao que se passa, não censuram seus integrantes ou cerceiam o debate. 

Administradores e criadores de grupos, deixem rolar o debate, s discussão, o diálogo, ora bolas. Mesmo, e principalmente, se houver as mais incisivas divergências. Isto é bom. Pensa: para que servem os grupos se não para isto? Está escrito lá, logo no início: 'discussão"...

Da outra vez em que fui excluído de um grupo, até entendi, porque era de proprietários de uma determinada marca de moto alemã, e, numa resposta a um comentário, pronunciei o termo “f&d@-$#” para um sujeito que ficou de mimimi pro meu lado (aqui). Achei muita frescura me excluírem por isto. Motociclistas não são freiras. Mas foi uma ofensa, reconheço. De boa. 

Mas, desta vez, não entendi a razão da minha exclusão. Não houve ofensas nem quebra das regras do grupo. Eu acho, uma vez que até agora não sei o motivo da exclusão, tratar-se de censura e/ou cerceamento ao debate. Ou tentativa de preservar a reputação de alguns amigos do criador do grupo, que deram uma opinião equivocada. Quem nunca? E qual o problema de fazer comentários equivocados? Além de motociclistas, somos humanos...

Vou explicar o que aconteceu:

Estou fazendo um estudo sobre a legislação de trânsito da Argentina, objetivando orientar/informar os motociclistas que viajam para lá. Assim que vou descobrindo algo de interesse, vou publicando na minha página do Facebook “De Moto Com Destino”. 

E compartilho estes posts em alguns grupos de motociclistas dos quais faço parte, inclusive no que me excluiu, cujo nome tem a ver com quem viaja, de moto, pelo nosso continente. Portanto, compartilhamento mais que adequado e oportuno para os integrantes, correto? Afinal, saber a legislação da Argentina é dever de todos que viajam para lá.

Pois bem. No dia 25/01/18, compartilhei, em vários grupos, o post abaixo: Veja aqui

No dia seguinte (sexta, 26), um motociclista brasileiro que mora na Argentina, e amigo do criador do tal grupo que me excluiu, fez um comentário afirmando que o regulamento só valia para Buenos Aires. Que era uma lei antiga, que não estava sendo aplicada e que a maioria da população sequer usa capacete. Perguntado sobre se o regulamento só valia em Buenos Aires e que não estava vigor, disse que tinha certeza disto! 

E disse mais: que algumas informações, como a minha, são desnecessárias, servindo apenas para espalhar medo na galera que nunca viajou. OK. Ele discordou de mim e respeito. Embora eu não espalhe medo em ninguém. Muito pelo contrário.

Porém, respondi que ele estava enganado. Que o regulamento era nacional, está em vigor e se não está sendo cumprido era outra história. Mas adverti: se as autoridades aplicassem a multa a um brasileiro, teria valor. Não adianta reclamarem depois, dizendo que foi extorquido. Que os policiais argentinos são corruptos.

Após insistir que o regulamento não existia, comentei: “Fulano, vou te dar uma pista. O decreto de onde eu tirei a multa do post é de 2011. Vou deixar você fazer um esforço mental até amanhã. Se você não conseguir, coloco o link no post, ok? Sem ofensas. ✌🏽” 

Ou seja: dei-lhe a oportunidade de botar os neurônios para funcionar para que continuássemos a conversa. Isto tudo na sexta, pela manhã. 

Mas...

O criador do grupo postou, na sexta à tarde, um comentário no post dizendo, em síntese, o seguinte: que a informação que eu havia postado poderia não ser verdadeira, que eu poderia estar equivocado e, enquanto o assunto não fosse esclarecido, os comentários estavam suspensos. E assim o fez, sem ao menos me perguntar ou me dar o direito de responder, inclusive disponibilizando o link do regulamento, o que, iria comprovar que o amigo dele havia se equivocado. 

Conversei com o criador (dono?) do grupo, no privado. Pedi para desbloquear os comentários para que eu pudesse esclarecer o assunto e publicar o link. Ele disse que não poderia, "pois havia pausado e não pegaria bem, pra ele, desbloquear". Ah tá... Então, se precipitou? Ou eu não poderia desmentir o amigo? Sei...

Argumentei: Creio que você quer manter os integrantes do grupo mal informados. A informação correta sempre incomoda. Melhor os motociclistas ficarem acusando os argentinos de corruptos do que conhecerem a legislação do país que visitam. Mas o grupo tem um dono. Vocês estão certos! Mas isto não é uma atitude legal.

Ele me disse que o tópico foi pausado após inúmeras respostas e argumentos, e que não se chegou a um consenso. MENTIRA. Apenas três pessoas comentaram. Dois, amigos dele. E os dois erraram feio em seus comentários. E quem disse que discussões em grupo precisam chegar a um consenso? Noutro post, infeliz, de um outro integrante, houveram várias ofensas ao autor e o criador nada fez, além de assistir. Não era seu amigo...

Grupos são feitos para debates, trocas de ideias, de experiências, onde ninguém é melhor que ninguém (não deve ser), além de ser um espaço que facilita a divulgação de assuntos de interesse dos integrantes. Não há necessidade alguma de consenso, muito pelo contrário! O dissenso nos faz bem!

Se não for para isto, para que criar um grupo? Seria melhor criar uma página, onde somente o 'dono' pode publicar e tem controle geral sobre o mesmo.

O criador do referido grupo é administrador de um outro grupo onde compartilhei o mesmo post. Lá, não se chegou a nenhuma conclusão e o post não teve seus comentários suspensos! E também não fui excluído... Até hoje.

Suponho, repito, suponho, que o sábado estava se aproximando e ele quis preservar a 'reputação' dos seus amigos que comentaram sem saber o que estavam comentando (eu ia publicar, no sábado, o link da regulamento de abrangência nacional e que está, sim, em vigor, em várias províncias)... Só estou supondo! Pode não ter sido por isto. Mas só pode...

Pois bem. Os comentários estavam bloqueados. Mas o post, não! Aí, editei o próprio post, da seguinte maneira e colocando o link do regulamento:



Editei o post também na minha página, mais ou menos nos mesmos termos (Veja aqui). Isto tudo ainda na noite de sexta-feira, 26!

No sábado pela manhã publiquei um post lá no grupo (ainda não tinha sido excluído), nos seguintes termos: 

“Bom dia. 

Estou fazendo um estudo da legislação de trânsito na Argentina com o objetivo de orientar os motociclistas que viajam para lá. 

Nos últimos dias publiquei alguns posts sobre a matéria com o fim de provocar o debate sobre o assunto, o que me ajudaria muito neste estudo. O diálogo, feito com respeito, é sempre produtivo, principalmente quando as ideias são divergentes. É através da dialética que atingimos o conhecimento verdadeiro das coisas. 

Todavia, o diálogo foi bruscamente interrompido pelo fundador do grupo, por entender, sem sequer me perguntar, que a informação poderia ser falsa ou a interpretação estar equivocada. Enfim, respeito a decisão. Mas é lamentável o cerceamento do debate. 

Jamais publicaria algo falso aqui no grupo ou em qualquer lugar. Não sou moleque. Nem irresponsável. 

Mas vamos ao que interessa. 

Alguns motociclistas têm relatado que foram extorquidos, especificamente, na província de Entre Rios. Entre eles, um que me chamou a atenção porque publicou um “recibo”. Foi em razão deste post que resolvi fazer o estudo. É multa ou extorsão?, me perguntei. 

Se você possui este recibo, na verdade “Acta de Comprobación”, e não se incomodar, comente como aconteceu e, se possível, envie-me uma foto. Pode ser no privado. Agradeceria muito e manterei sigilo absoluto caso seja enviado pelo privado. 

Pretendo questionar, formalmente, a embaixada da Argentina, para se pronunciar a respeito destes ‘recibos’. Para tanto, cópia das Actas, com os respectivos números e datas, ajudaria muito. 

Quanto ao estudo, em breve publicarei...

Obrigado a todos.”

Para minha surpresa, após 3 curtidas e 2 comentários, imediatamente após sua publicação (coisa de 15 minutos), fui excluído do grupo. Não sei se foi por este post de sábado ou pelo outro, que tinha editado. Excluído sem qualquer explicação. Mas entendo. O grupo tem criador (dono?) e ele faz o que bem entender. Se quiser explicar, tudo bem. Se não, tudo bem também. 

Alguém certa vez disse, se referindo ao grupo: "Eles não aceitam uma estrela que brilha mais que o céu deles". Não que me considere uma estrela, muito menos brilhando, e muito pelo contrário. Sou polêmico, gosto de provocar um debate (dialética...), questionador (não aceito as coisas muito passivamente) e isto incomoda aqueles que pensam que sabem muito. 

No sábado, 27, mandei uma mensagem no privado e no zap, para o criador do grupo, perguntando porque fui excluído. Se foi pelo post que havia feito, no sábado. Ou se havia ocorrido um equívoco. Veja:
Até a publicação deste relato aqui no blog (18h10 de 29/01), não obtive resposta. Embora a mensagem tenha sido visualizada, como se vê na imagem.

Por tudo isto, resolvi publicar este relato aqui no meu blog como forma de tornar público o cerceamento do debate que alguns administradores e/ou criadores (donos?) de grupos estão fazendo. Talvez porque nossas opiniões são contrárias as deles ou dos amigos mais próximos deles, o que, particularmente, não acho democrático nem tampouco uma atitude coerente de quem se diz motociclista, que prega a liberdade. Liberdade para divergir também. Reflitam...

Também administro um grupo (Motos e Motociclistas) que criei mas não sou dono, e lá só não é permitido anúncios de qualquer espécie ou ofensas. Quanto ao debate, sempre respeitoso, isto é até incentivado. O diálogo é livre. Como disse no post que publiquei no sábado: É através da dialética que atingimos o conhecimento verdadeiro das coisas. 

Provavelmente este post chegará ao criador (dono?) do grupo ou de seus administradores (na verdade não sei quem me excluiu...). Ou até ao próprio grupo (vai que algum corajoso compartilha...). Claro que haverá quem discorde de mim (isto não é ruim), que irá dizer que não existe cerceamento ou censura. Que tem que preservar a reputação dos amigos que falam besteira mesmo. Haverá também os que se posicionarão favoravelmente à minha exclusão. Faz parte. Não me incomoda, mas gostaria de debater o assunto... Existe mesmo este cerceamento? Esta censura?

Por fim, enquanto uns excluem aqueles que defendem bandidos condenados pelo Poder Judiciário, outros excluem aqueles que pensam diferente, que falam a verdade. Mas, não tolerar bandidos é uma coisa. Não tolerar opiniões contrárias é outra bem diferente...

É a vida!

Divirtam-se assistindo este vídeo: vídeo.

Editado:
A propósito: compartilhei este post em alguns grupos de motociclistas. Um, excluiu a postagem. O outro, me excluiu. Os demais, por enquanto, mantiveram. Depois vou dar nome a todos.

Um comentário:

  1. rsrsrsrsrs esse é o meu amigo Celso!!!
    tão simples, bastava o cidadão ter informado que aos autoridades não estavam tão rigidas e pronto.
    mal de alguns Brasileiros de achar que por as autoridades não aplicar as leis a mesmas não existam.
    o mais importante que a dica foi dada.

    ResponderExcluir

Se preferir, comente como ANÔNIMO. É a última opção na caixa abaixo [Comentar como]... Mas se identifique no final da mensagem, para que eu possa saber quem é... Se possível, coloque um e-mail. Obrigado.