segunda-feira, 7 de abril de 2014

Carro de apoio ou de proteção?

Se a vida nos oferecer um limão, devemos aproveitar, sempre que possível, e fazer uma limonada...

No sábado, 5 de abril, o HOG de Brasília promoveu um bate-volta até Formosa para um almoço no restaurante Dom Fernando. Convite aberto a todos os motociclistas.

Participaram aproximadamente 30 motociclistas, dos quais uns dez foram apenas até Formosa. Não ficaram para o almoço. Entre eles, eu, e mais dois amigos, que havíamos combinado de voltarmos juntos.

Na saída da loja HD, nós três ficamos atrás do comboio. A uma distância aproximada de uns 30m do ferrolho, que é a que acho mais segura. 

Após a ponte do Bragueto, o carro de apoio, uma caminhonete Hilux, caracterizada com logo da Brasília Harley-Davidson, equipada com reboque, nos deu uma fechada, se colocando entre o ferrolho e nós. Em princípio, pensei que o motorista estava sendo pressionado por algum outro veiculo e, dessa forma, foi 'obrigado' a tal manobra. Mais à frente, quando o trânsito parou, nos colocamos novamente entre o ferrolho e a caminhonete. 

Logo em seguida, na saída da via sobre o viaduto do Colorado, o motorista da caminhonete, que estava na faixa da direita, tentou, forçosamente, me ultrapassar, em razão dos tachões que haviam logo à frente, na faixa em que ele trafegava. Não tinha como lhe dar passagem, sem correr o risco de ser atingido pelos veículos que vinham atrás de mim. Percebi, nesse momento que a intenção dele era não permitir que ficássemos atrás do ferrolho. Até aquele instante não sabia o porquê.

Como a via é pública e o comboio de motos estava trafegando na faixa da esquerda, o que pode até ser mais seguro para o comboio, desde que trafegue na velocidade máxima da via, e sem atrapalhar, em demasia, os carros que vem atrás, resolvi verificar se a intenção do motorista da caminhonete era a que suspeitava. 

Fiquei atento e esperei por ele, que vinha na faixa da direita, em aparente alta velocidade (estávamos a 105km/h). Fiquei preparado e não deu outra. Ele jogou a caminhonete sobre mim, numa atitude irresponsável. Sempre ando com minha máquina fotográfica a postos e registrei o momento, já esperado.

Nota-se que, antes mesmo de ter todo seu veiculo à minha frente, e tinha espaço pra isso (veja a foto), já iniciou o procedimento de fechada. Nesse instante freei, pois, caso contrário, o reboque teria me atingido. O correto seria ele ter todo seu veiculo após o meu, dar seta, e só depois adentrar na faixa que eu estava. Aí não seria fechada, mas sim ultrapassagem. 

Aqui, observa-se que, se não reduzo a velocidade, seria atingido lateralmente pelo reboque. Pela distância da traseira do reboque à parte superior da bolha da minha moto, nota-se o quanto passou perto de mim. Se não tivesse freado, o reboque teria me atingido. 


Graças a Deus tenho razoável experiência, previ o que poderia acontecer e soube evitar o pior. Fosse um motociclista sem essa característica e previsão,  sabe-se lá o que poderia ter acontecido. 

Depois ultrapassei novamente a caminhonete e permaneci atrás do ferrolho até chegar à pamonharia, sem quaisquer outros incidentes. 




No domingo, consultei algumas pessoas, e um deles, que estava na caminhonete, afirmou que não sabia o que tinha acontecido nem muito menos que era eu naquela moto... Ok. É possível.

Outros integrantes do HOG, inicialmente, negaram ter conhecimento do fato. No entanto, soube que o assunto foi muito comentado no almoço, inclusive com uma versão falsa, o que, em parte, me motivou a tornar público o que aconteceu. Até porque quem poderia ter visto o que aconteceu se limitam a três pessoas, além de mim e os dois amigos a que me referi. Os acompanhantes da caminhonete, em número de dois, e o ferrolho, este, pelo retrovisor, não teria uma visão correta do ocorrido.

No final do dia, domingo, o Magno, Diretor do HOG me ligou. Relatei o que tinha ocorrido e ele se comprometeu a levar ao conhecimento do João Batista, diretor da HD.

Segundo ele, o motorista foi previamente orientado para ficar atrás do ferrolho. Como proteção ao mesmo. 

Aí, em minha opinião, foi o início do problema e que retira a culpa exclusiva do condutor da caminhonete. O carro é de apoio. Não de proteção. O próprio nome já define sua função. Apoiar o comboio. Seja numa situação de pane ou que exija rebocar a moto. O comboio é de motos...

Proteção do comboio cabe ao ferrolho. Que, obrigatoriamente, deve ser um motociclista experiente. Que saiba se comunicar com os demais usuários da via. Que saiba administrar os conflitos causados pelos motoristas que vem atrás, pressionando para ultrapassar o comboio. Deve pedir calma e cumprimentar todos os demais usuários, se desculpando, sempre com gestos, pelo eventual transtorno. Para sua segurança, deve manter uma distância maior entre o motociclista que vai à frente, de forma a ter um espaço para se afastar dos motoristas apressados que ficam lhe pressionando.

Não sou nenhum especialista, muito pelo contrário, "sei que nada sei", mas gosto de dar uns pitacos de vez em quando. O motorista deve ser orientado para permanecer ATRÁS do comboio. SE POSSÍVEL, atrás do ferrolho. Que deve respeitar a legislação de trânsito. E, nunca jogar a caminhonete sobre qualquer outro usuário da via, principalmente se for motociclista. Deve ter conhecimento de que ele ficará, em alguns momentos, distante do comboio. Que, nesse caso, deve ter paciência e se aproximar do comboio com segurança. É importante que ele saiba todo o roteiro.

Mas, ao que parece, e o próprio diretor do HOG admitiu, o motorista não recebeu treinamento adequado para conduzir carro de apoio, em comboios, nem muito menos com reboque. Desta constatação, fica claro que a responsabilidade foi de todos: Diretores do HOG, da direção da loja e do motorista, que no caso, é o lado mais fraco da corda!

Concluindo, nós e os responsáveis pelos comboios temos que entender que não somos os donos da rodovia. Estamos ali curtindo a vida, nos divertindo, passeando. Temos que ter consciência que atrás de nós tem motoristas nas mais diversas situações. Apressados por algum motivo. Que não gostam de motos. Que acham um absurdo um monte de moto 'atrapalhando' o trânsito, etc. Não é porque estamos em comboio que temos prioridade de trânsito sobre os demais. 

E que os responsáveis aproveitem esse limão e façam dele uma limonada. Entendam que carro de apoio não é carro de proteção. E que o motorista deve receber treinamento e ser devidamente orientado.

O carro de apoio NÃO faz parte do comboio!

Críticas são sempre bem-vindas.



15 comentários:

  1. Pra min isso e tentativa de homicídio dolo eu faria um registro na DP e ainda processava a HD não justifica que o motorista não sabia ele e habilitado no no transito o maior protege o menor e.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não registrei por consideração a amigos que tenho no HOG. E a culpa não foi do motorista, apenas. Ele recebeu orientações equivocadas.

      Excluir
  2. Como você bem mesmo escreveu, foi um BV e não um BF, portanto acredito, ida a um local não muito distante o que no eu entender o tal "Carro de Apoio" com carreta reboque e tudo o mais é dispensável a não ser para, com a logo gigantesca fazer propaganda da concessionária HD(sou do HOG Ok), mas o risco que vocês correram especialmente você meu caro, poderia ser evitado, ainda bem que não houve danos maiores e as arestas aparadas. Tenho uma história pessoal de uma fechada de me jogar e minha garupa no rípio no caminho de Milwaukee para Chicago por um caipira playboy e metido a engraçadinho que é de arrepiar cabelo de careca. A experiência nesses casos conta muito.Piloto motocicletas a quase 40 anos, e coleciono alguns tombos mas essa de fechada em estrada em alta velocidade, sei não..MÊDO! Abraços, Fernando Sengès no Face

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E pior, pensam que estão agindo de acordo. São os donos da verdade.

      Excluir
  3. Bom, de carro de apoio ou "Proteção" não dá o direito de sair fechando outros motociclistas no meio da rua. Não precisa entender de ser um Motorista de carro de apoio pra saber distância de segurança em uma Ultrapassagem. A não ser que você fosse uma ameaça ao comboio. MKN
    Isso só me leva a ter a certeza que esses passeios do HOG de Brasília não valem a pena. Rodei uma vez e nunca mais. Parece mais uma SEITA de bitolados que não tem o espírito Harleyro e sim um espírito elitista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, nem se fosse uma ameaça ao comboio daria o direito de fazer o que fez.

      Excluir
    2. Claro Celso, eu referenciei apenas pq é inadimissivel a atitude do motorista com um motociclista seja ele de qualquer estilo. Abraços MKN

      Excluir
  4. Estou com vergonha de ter perdido 5 minutos da minha vida lendo esse mimimi...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um direito seu. Deve ser amigo dos coxinhas.

      Excluir
    2. Coxinha quem vai em B&V de 30 motos e precisa de carro de apoio ou proteção ou sei lá o que...

      Excluir
    3. No seu lugar, teria vergonha de me manifestar. Principalmente, de forma anônima. :)
      Leandro Rufino

      Excluir
  5. Um absurdo... Uma irresponsabilidade.... Carro de "proteção"????? Brother, se não sabem se virar em cima de uma moto, pqp, vão bater um bolo ou fazer um tricô com a vovó, bebendo um suquinho de pêra com leite... Diante de atitudes assim que tenho cada vez mais vergonha da HD...

    ResponderExcluir
  6. puta mimimi. Anda com HOG e quer o que? o que esperar de um grupinho arrogante que precisa de carro de apoio para andar 80km? Eu teria vergonha ..... vai andar com gente e deixa de ser adolescente tonto que quer participar do grupinho dos famosos da escolinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens nome? Se não, paramos por aqui. Não sabe o que está escrevendo.

      Excluir

Se preferir, comente como ANÔNIMO. É a última opção na caixa abaixo [Comentar como]... Mas se identifique no final da mensagem, para que eu possa saber quem é... Se possível, coloque um e-mail. Obrigado.